Instagram

Bem-estar

Será que as mulheres maduras já perderam o prazo de validade para namorar?

Penso que não. Ama-se em qualquer idade. Ama-se de forma diferente, mais profunda e, ao mesmo tempo, de uma forma mais calma.

Talvez as relações sejam mais efémeras, hoje em dia. São raros os casais que conseguem manter a chama acesa ao longo dos anos. Mas para quem conseguiu manter o casamento, é numa idade mais madura que essa relação se vai aprofundar. Esses são os eternos namorados, tomados como modelo pelas gerações mais jovens. No fundo, foi sempre com isso que sonhámos: encontrar a pessoa certa e ir envelhecendo juntos, de mãos dadas, pela vida fora. Quando se chega a uma certa idade, e após várias relações falhadas, divórcios e tantas ilusões desfeitas, essa visão romântica do amor começa a tomar outros contornos. 

Para as mulheres maduras que estão sozinhas – e conheço muitas – a ideia de que não se pode ser feliz sem encontrar um “Mr. Big” (lembra-se do eterno amado de Carrie Bradshaw na série “Sexo e a Cidade”?) começa a não fazer muito sentido. Somos felizes porque temos o que construímos, sabemos o que queremos, temos o nosso trabalho, temos a nossa roda de amigos. Mas a ideia de encontrarmos alguém com quem possamos partilhar a nossa vida não desapareceu. Nunca é tarde para se redescobrir o amor e até a paixão, só que sem essa necessidade absoluta que sentimos aos 20 anos. Estamos na fase de aceitação dos nossos defeitos e das nossas qualidades. Já não andamos a fingir para agradar aos outros e queremos alguém que nos aceite como somos. Às vezes não é fácil, mas acredito que esses encontros podem acontecer em qualquer idade e, quando assim acontece, é tudo saboreado de uma forma muito mais compensadora e intensa.

  • Reply
    Maria Cristina
    14 de Fevereiro, 2019 at 18:28

    O retrato fiel de quem comunga dos mesmos tempos, das mesmas emoções e dos mesmos
    sentimentos onde a calmia e a esperança, também convivem.
    Helena Isabel, muito obrigada pela forma lúcida como descreve toda uma história de vida que se ajusta ao perfil de tantas mulheres.
    Um beijinho,
    Maria Cristina

  • Reply
    Teresa
    26 de Fevereiro, 2019 at 16:22

    Eu sou das maduras que tenho o marido de toda a vida mas acho que nunca é tarde. Para se encontrar alguém ou para te encontrares a ti própria de forma a não querer, ou precisar, do tal “plus one”.
    Agora já não há a pressão social do “vais para tia/ficar sozinha?”
    Em parte sente-se uma “libertação”. Do eu e do seu… se temos a outra pessoa – como é o meu caso – o amor, paixão, companheirismo transformou-se num conforto, numa aceitação e tolerância que é do mais simpático e amoroso e que compensa todas as tempestades. Sim é outro sabor esta etapa de vida. Finalmente fiz as pazes com os vintes e todas as vicissitudes porque valeu a pena para chegar aqui.
    Parabéns pelo site, Helena. Está um abraço de uma Amiga de toda a vida…

    • Reply
      Helena Isabel
      28 de Fevereiro, 2019 at 16:31

      Olá Teresa. Antes de mais obrigada por seguir a minha página e também pela sua colaboração. Gostei muito do seu testemunho e dou-lhe os parabéns pela sua relação duradoura e feliz. Todas temos o nosso caminho e não há nada melhor do que estarmos em paz com nós próprias. Espero que continue a seguir-me e a partilhar a sua opinião. Beijos.

Leave a Reply